14 de out de 2013

Piriforme

Bem, o tempo de hibernação acabou no mês passado, junto com a entrada da primavera.  Acho que já é hora de escrever um novo post com novidades, apesar de não serem muitas.

Rotina de fisioterapia ainda ocupa a minha semana.  Duas vezes, pra não perder a forma.  As mudanças são muito sutis, mas percebo mesmo assim.  Sim, permaneço firme ainda na academia, excluindo os dias da fisio, como ela mesmo me orientou (a não ser atividades aeróbicas).  Pelo que entendi, é para não "matar" os neurônios que estão sendo recrutados durante a sessão de fisioterapia.  Como não quero correr esse risco, acho melhor obedecer!

Um dia conversando com uma amiga minha, ela comentou que estava com problema no nervo ciático dela.  Isso me fez lembrar de um "primo"do ciático que, volta e meia, ainda dá or ar de sua graça para mim: o piriforme.

Para quem não lembra do que se trata a síndrome piriforme, é uma dorzinha chata em uma banda da bunda (de repente pode ser nas duas, sei lá!).  Parece dor muscular que não passa.
 
A minha dor já passou, mas o piriforme ainda dá as caras!  Por exemplo, na aula de Pilates, dependendo da posição em que me encontro, lá vem ela.  Na maioria das vezes, ela vem como aquele beliscão no músculo. obrigando-me a reposicionar a perna.  Nem sempre consigo fazer o exercício.  Me obrigo a abrir menos as pernas durante esse exercício específico.  Daí a lembrança do piriforme...

Estava vendo alguns sites com informações sobre a síndrome do piriforme, e vi que ela pode se estender até o joelho... :(
Graças a Deus não é, e nem foi, o meu caso.
Outro dado que achei importante, é que muitas vezes ela pode ser interpretada como nervo ciático, já que são muito próximos.

Bem, não vou me estender muito nesse assunto, já que não sou médica, fisioterapeuta, etc... Vale ressaltar a importância de um bom diagnóstico, para não confundir as coisas.  Afinal de contas, estamos nos recuperando de uma grande lesão, o AVC.

O importante é continuar na luta! Bora lá!