28 de fev de 2012

Assuntos - AVC

Acho que conforme estou me recuperando, o assunto do blog acaba se esvaindo.  Sim, tenho as minhas recuperações ainda acontecendo, e não pretendo deixar de narrá-las conforme vou melhorando.

Acho que consegui esclarecer algumas questões sobre o AVC em geral e pretendo continuar fazendo esse trabalho. 

Começarei a usar outras fontes que passem conteúdos interessantes e pertinentes ao AVC, paralelo ao contar minhas evoluções.

O trabalho de recuperação de um AVC é longo e muito sutil em alguns momentos.  Os outros nos vêem 100%, mas só quem está se recuperando sabe que não é bem assim. 

O corpo tem o seu próprio ritmo.  Por mais que tentemos evoluir em um determinado momento, só quando for a hora certa é que conseguiremos.

Não digo isso para você parar e esperar o próprio corpo se curar.  Até hoje continuo fazendo caretas homéricas nas minhas sessões de fisioterapia.


Continuo a ter um papel fundamental na minha recuperação, juntamente com os profissionais (fisio, fono, TO) que me auxiliam.  Eles são os facilitadores para eu atingir meus objetivos.  E olha que não são poucos!!!

Acho que estou escrevendo isso para me obrigar a não abandonar esse blog, pois pretendo estar ajudando alguém nesse mar sem tamanho de informações na internet.


27 de fev de 2012

Dúvidas - AVC

Essa semana que passou fui a minha neuro para esclarecer algumas dúvidas que ainda me cercam.

Não, o AVC que tive não precisa de um acompanhamento por x anos, como no caso de algumas doenças.  No meu caso, eu estou de alta (uhuuu1!!!).  Já não tomo mais o anti-convulsivante, e o anti-coagulante que ainda tomo é por precaução até sanar algumas dúvidas.

Já posso viajar de avião (uhuuu2!!!!).  Pode parecer uma dúvida meio sem sentido, mas pensei em alguma coisa relacionada à pressurização.  Graças a Deus, não!!!

Perguntei também quanto a mergulhar.  Não que tenha maior intenção de fazê-lo, mas estou planejando minha recarregada de baterias em breve, e isso inclui um belo mar turquesa com areia tipo farinha-de-trigo!

De tanque não devo me arriscar (nem iria!), mas de snorkel (que também não sei se me arriscarei) pode ser.  Ainda não sei qual será a sensação do meu corpo dentro da água. 

Muita coisa ainda por descobrir!!! O que não deixa de ser excitante.  Andar descalça na areia!!! Vou treinar minha propriocepção (termo utilizado para nomear a capacidade em reconhecer a localização espacial do corpo, sua posição e orientação, a força exercida pelos músculos e a posição de cada parte do corpo em relação às demais, sem utilizar a visão. Este tipo específico de percepção permite a manutenção do equilíbrio postural e a realização de diversas atividades práticas. Resulta da interação das fibras musculares que trabalham para manter o corpo na sua base de sustentação, de informações táteis e do sistema vestibular).

Muito científica a explicação, não???  Na verdade é reencontrar o meu equilíbrio, ter uma reação a diferentes tipos de piso.  Meio sem sentido para quem não sabe do que estou falando, mas é super importante para minha recuperação.

Como boa libriana (sim, eu sigo meu signo), como ficar sem equilíbrio????  Na eterna busca do equilíbrio da balança, tenho que encontrar meu ponto central!

Trabalho na minha cabeça o receio que ainda tenho de passar mal.   Como passei mal do nada, ainda acho que no meio de uma caminhada possa acontecer alguma coisa (como aconteceu). 

Não, não viverei com essa sombra, mas que estou meio medrosa, ainda estou.  Daqui a pouco sublimarei!!!

Voltando à minha rotina, esse medo sumirá naturalmente (é o que dizem, e eu acredito!).  É a vida voltando ao normal!

Depois do que eu passei, é mais do que natural ter uma sombra nas minhas crenças/dúvidas.  Mas viver com essa sombra é completamente fora de questão.

24 de fev de 2012

Multi-tarefa - AVC

Nesse meu último Carnaval acabei me deliciando nas sessões de cinema da capital.  Consegui colocar em dia alguns filmes concorrentes ao Oscar com minha amiga "MII".

Em uma dessas saídas, tive uma grata surpresa, que veio a mim de forma natural quase desapercebida. 

Saí do cinema e fui fazer aquela dobradinha básica: tomar um sorvete que tanto adoro daqui de Brasília.  Eis que me vejo andando, tomando sorvete e conversando com a minha amiga!!!

O que para muitos é uma coisa natural ao ser feita, para mim foi uma vitória.  Antes, era difícil de executar tarefas simultaneamente.  Hoje, já dá!!!

Há um tempo eu não conseguia andar e falar ao mesmo tempo.  Muito doido isso, não???  Depois de um perído dedicada a one-task only (uma tarefa apenas), hoje a simultaneidade já faz parte das minhas atividades.

Lógico que não sou (nem tenho a pretensão) de ser um malabares do Cirque du Soleil, mas isso não deixa de me impressionar.  Sim, ainda preciso estar próximo ao corrimão ao descer e subir escadas.  Natural.  Qualquer um que esteja recuperando seus membros inferiores faz isso.

Esse feriadão fiz de tudo.  Andei com uma sandália que arrebentou no meio do shopping (fiquei mancando apenas por isso!!!), tomei sorvete e segurei a garrafa d'água ao mesmo tempo :), vários desafios vencidos sem planejar.  Vieram quase que naturalmente!

Continuo tendo que ser bem organizada para lembrar onde estão minhas coisas.  Volta e meia do uma de "MI" e falo:  "roubaram (na verdade, cade???) o meu celular!!!!!".  Tenho que colocar tudo em seus devidos lugares, para não perder o tempo ao procurar determinada coisa.

O que antes era fácil, hoje exige mais concentração.  Se tirei um documento de um lugar, tenho que colocar o mesmo no lugar dele.  Não tenho mais aquela habilidade de me lembrar de tudo!

Na verdade tô achando até bom isso...  Chega de ter meu script tão fácil!!!  Aquela preocupação de fazer tudo tão certinho, isso já não me pertence mais!!!

Pensa numa pessoa atrapalhada hoje!  Sou eu!!!  Mas estou bem melhor!!!

22 de fev de 2012

Mão Direita - AVC

Esse tema ainda se faz presente na minha recuperação.

Depois de 7 meses, ainda estou com a mão inchada.  Mas bem menos do que há 3 meses.  Posso dizer que já deve ter chegado a uns 80% do que é o natural dela.

Dedos com mais destreza.  Isso sem sombra de dúvida.  Continuo exercitando o movimento espelho (aquele que propositalmente eu repito o que a minha mão esquerda está fazendo enquanto eu falo, uma hora vai ser automático!)

Tenho, quase que diariamente, brincado com jogos que exigem o movimento dos meus dedos.  Fico muito no meu iPad descobrindo jogos que de alguma forma me ajudarão com os movimentos.  Posso dizer que melhorei muito.

Minha tendência natural era realizar os movimentos somente com a mão esquerda.  Mas nada como uma forçadinha básica com a mão comprometida, para começar a melhorar.

Me lembro da minha T.O. dizendo que eu não podia deixar de mexer com a mão esquerda.  Acho que naquele momento eu estava querendo "imobilizar" ao máximo minha mão sem comprometimento, como uma forma de recuperar o mais rápido possível a minha mão comprometida.

Besteira minha.  A gente usa indistintamente as duas mãos no dia-a-dia, só que sem reparar, sem racionalizar.

Não usamos apenas a mão dominante na execução de tarefas.  Usamos as duas!!!

Arranjei uma joguinho que me "força" a usar as duas mãos (Temple Run, para quem quiser saber qual).  Acho que até sem querer ele melhorou minha percepção também.

No início eu jogava apenas por jogar.  Depois eu fui percebendo que ele te dá os objetivos a serem alcançados.  Minha atenção melhorou com ele.  Bônus para mim!

Realmente a mão vai desinchando.  Meus dedos lentamente voltam a ser o que "eram".  Até a super-curvatura que tenho nos dedos já consigo perceber (os dedos até então eram retos!).

Sim, aos poucos vou reparando na mão voltando ao que era antes.  Como tudo que tenha reparado, as evoluções atualmente têm sido sutis, mas não deixam de ter o gostinho de evolução.  Vamo que vamo!!!

16 de fev de 2012

Fenix - AVC


Parece realmente que estou ressurgindo das cinzas.  Ainda bem!

De volta à rotina de fisios, fono, TO, etc.  Muita gente me pergunta: "Por que ainda você faz fono???", meio num tom de surpresa.  Sim, ainda acho que preciso de fono para melhorar a impostação da minha voz.  Melhorar a minha respiração.

Há um tempo atrás, mais precisamente 2 1/2 após meu AVC, eu gravei minha própria voz ao fazer uma leitura.  Essa semana escutei a mesma, ao gravar uma nova leitura que estava fazendo.

Para minha surpresa, quanta diferença!!!  Não tive muita vontade de fazer registros do meu estado durante minha recuperação.  Esse pode-se dizer que é um dos poucos registros que tenho.  Mas é muito bom você ver a evolução.

Como estava sem fôlego no início... Como a leitura se arrastava na minha língua...  Hoje, tudo está fluindo muito bem!  Ainda preciso de prática, como criança ao começar a ler, descobrindo o tempo de uma frase não construída por ela (como numa conversa vem naturalmente).

Essa oportunidade de comparação dá uma nova perspectiva.  Como o objetivo é voltar a ser o que era, quando você atinge o objetivo, quase se esquece de como estava. 

Como já comentei anteriormente, nem eu acredito às vezes.  Sei que foi trabalho árduo, repetitivo, intenso, que me levou tão rápido a minha recuperação.  Nunca deixei apenas na mão da minha fono a minha vontade de voltar a falar.  Ela foi fundamental, com o exercício certo, na hora certa.  Mas o trabalho é feito por mim. 

Muitas vezes, quase como uma louca em casa, ficava fazendo caretas, sons estranhos.  Tudo exercício.  Vamos perder a vergonha e botar a garganta para funcionar.

Posso considerar minha fono como a minha personal trainer da minha boca.  Quem podia imaginar isso??? Até peso eu usei.  Não dá nem para acreditar.  Mas fiz tudo, e um pouco mais do que me pediam.

Valeu à pena!  Muito!  Vou voltar a ler em voz alta...

14 de fev de 2012

Combo - AVC

Cara, estou há muito sem escrever.  Fui tomar uma M de um antibiótico (não é por conta do AVC!) que me deixou completamente debilitada por mais de uma semana...



Será que não existe no mercado farmacêutico um combo de antibiótico com um protetor gástrico??? Ninguém merece o que passei essa semana!

Parei fisioterapia, parei tudo.  Pausa na minha vida!  E o medo de perder as evoluções?!  Nem me fale.  Quero continuar no caminho certo que sei que me encontro.

Essa semana que passou tive a oportunidade de ver uma entrevista do Ricardo Gomes, técnico do Vasco, que sofreu um AVC hemorrágico praticamente 1 mês depois do meu.  A entrevista pode ser vista em: http://g1.globo.com/jornal-nacional/videos/v/ricardo-gomes-trabalha-duro-na-recuperacao-e-surpreende-ate-equipe-medica/1807844/.


Sim, é inspirador!  Mas antes de mais nada nos motiva a seguir pelo mesmo caminho.  Sim, é possível!  Quem quer, com o auxílio de bons profissionais, sim, é possível.

Continuo meio debilitada, tendo até um pouco mais de dificuldade para articular minhas idéias para esse post.  Me perdõem se estiver meio perdida.  Mas aos poucos retomarei ao meu pique.

Pequenas evoluções ocorreram esta semana.  Consegui "apertar" um dos dedos da minha mão direita.  Na verdade eu consigo fechar como não conseguia antes, pois estava muito inchado.  Parece que aos poucos está drenando o que antes estava inchado.

Força na peruca e bola pra frente!

12 de fev de 2012

Facebook - Junte-se a nós!

Curtam a página "Eu sobrevivi a um AVC" no Facebook.

Sempre que possível publicarei textos, entrevistas, links, etc que achar interessante.

Estou escrevendo o blog não só para contar a minha luta em particular, mas sim como forma de divulgação de informações sobre o assunto.

Vá em Eu sobrevivi a um AVC e curta a página. 

Compartilhe suas idéias.  Elas são muito bem vindas!

Obrigada!

4 de fev de 2012

Mulher-Maravilha - AVC

Há muito que a invencibilidade de um super-herói me deixou.  Acho que com os sustos que levei, consegui encarar a transitoriedade da vida como poucos.  Mesmo assim eu vou.  Sabe-se lá pra onde, mas eu vou!

Ainda luto como uma mulher-maravilha, defendendo-me com os meus braceletes sei-lá de que.  Sim, me coloco à caráter e lá vou eu, como se nada tivesse acontecido...  Tanta coisa mudou, que não dá nem pra situar vocês.



Mas eu tenho medo. Sim, tenho muito medo.  Medo de esquecer essas sensações que estou vivendo e voltar para a Terra, como uma simples mortal.  Quantos têm a chance de ter consciência de suas conquistas???  Chorar ao andar pela primeira vez, rir com um movimento do braço que é novo/velho, comemorar a sprayada de um perfume, e por aí vai.

No caso de voltar à condição de mera terráquea, corro o risco de entrar de novo no rede-moinhos das preocupações:  contas a pagar, trabalho, depilação (sim, sou mulher), cabelos, unhas, etc. Não quero cair nessa armadilha e me esquecer.

Mas como faço para não cair?  Não sei.

Li outro dia uma frase que é a mais pura verdade: caridade tem que ser anônima, caso contrário é vaidade! (vi no blog do "CD").  É como a frase de Mark Twain "If you tell the truth you don't have to remember anything." Fica a "deixa" para refletir...

Essa é uma tarefa difícil, mas tento me tornar uma pessoa melhor sempre que encaro obstáculos à minha frente.  Dei uma caminhada mais longa.  Minha perna cansa.  Tenho que ir treinando.  Assim vou superando, um a um.  Paro e penso no movimento, como nunca tinha feito.  A passada melhora.  Incrível a nossa cabeça... O que arrastava então, não arrasta mais.

Sim, minhas atividades estão sendo milimetricamente pensadas.  Como nunca antes.  O cérebro condiciona o corpo, ou o corpo condiciona o cérebro?  Acho que são as duas opções.

2 de fev de 2012

Sangue - AVC

Muito exame de sangue.  Não pode ficar nem ralo demais nem ralo de menos.  Até achar o limite certo, lá se vão várias espetadelas.

É exame pra tudo quanto é lado. 

Me lembro que quando estava no hospital vinha o rapaz do laboratório, que carinhosamente era apelidado de "Vampiro".  Ninguém merece ser acordada para levar uma agulhada.  Por que os horários da UTI são assim?


Teve uma dia que o fisioterapeuta do hospital veio TENTAR me atender às 22h30.  Mal falando, consegui me expressar de jeito suficiente para mandá-lo embora!  Não é por que estava na UTI que meu relógio biológico se cala.  Ele continua mantendo internamente o seu tic-tac... (ainda bem!).

Convenhamos... fazer uma sessão de fisioterapia as 22h30 é fora do aceitável... Enfim, ele foi embora e chegamos a um acordo que ele não me atenderia naquele dia porque EU RECUSEI tratamento.  Não ia nem argumentar nada, mas bom senso falta em alguns serviços para a gente.

Mesmo sem gostar do horário, me entregava ao "Vampiro" para a retirada do sangue do dia.  E vou dizer que isso continua até hoje, quinzenalmente.  Vamos ver como está o meu RNI...

Essa rotina se manterá por um tempo ainda não definido. 

Tem dias que saio do laboratório com o braço roxo.  Foi recomendado que eu retirasse sangue do meu braço não comprometido, pois poderia desenvolver um problema enquanto não recuperar totalmente o movimento do meu braço direito. 

Minhas veias que antes,  como eu falava com orgulho, eram super exibidas para as agulhas, hoje se envergonham diante delas.  Acho que foi trauma de tantas espetadelas no hospital.

Mas hoje me encontro íntima das agulhas.  Como minha prima-irmã-amiga "F" gosta de falar: "poderia ser pior".  Pura verdade.  Imagina se eu fosse apavorada com as agulhas.  Tem gente que tem fobia!!!

Que a próxima espetadela venha!