10 de fev de 2014

Um recadinho importante

Pessoal,  queria deixar claro aqui o meu objetivo ao escrever esse blog, que possui um alcance fora do meu controle. Todo tipo de pessoa pode ler, para tentar se informar sobre qualquer tipo de avc.

É sobre isso que gostaria de me explicar.  Em muitos posts que escrevi anteriormente, sempre destaco que "CADA AVC, É UM AVC".  Tento deixar isso o mais claro possível para as pessoas que aqui vêm em busca de um alento à uma situação pela qual, que na maior parte das vezes (concluo isso pelos comentários que recebo), é um familiar ou amigo que está passando.

Coloco aqui a minha experiência, situações pelas quais passei e tratamentos a que fui, e que sou ainda hoje, submetida.  Longe de mim de querer dar falsas esperanças.  O relato é pessoal.  Busco sempre ser muito responsável com as informações que aqui coloco.  Não divulgo nomes de remédios (isso é assunto sério para ser tratado direto com o médico), nem comento tratamentos que, por acaso, não deram certo pra mim.  O que é bom pra mim, não necessariamente é bom para outra pessoa.

Mas mesmo assim acho importante o meu ponto de vista para os outros.  Sim, mostrar que apesar de um caso grave, ainda podemos ter esperança.  O meu caso foi MUITO grave, mas consegui, com muito trabalho, dedicação e persistência, ficar zerada.  O meu estado hoje não diminui o quadro pelo qual passei.  Passei um bom tempo até recuperar minha independência.  Nada aconteceu de uma hora pra outra.  Algumas pessoas podem ter essa impressão, mas garanto que não foi assim.

Acordar como acordei do 2o. AVC, deixou todo mundo de cabelo em pé.  Não falar, não mexer nada, nem engolir... Situação preocupante, sem dúvida.  Quase passei por uma traqueostomia, pois também tinha dificuldade de respirar.  Ou seja, o quadro que passei há 2 anos e 1/2 não foi muito fácil não.

Nem por isso, deixei de focar na minha recuperação.  Sim, foquei muito.  E até hoje quero melhorar.  E vou.

A vida da gente é movida por objetivos, obstáculos sempre vão aparecer.  Mas como esse são inevitáveis, o que interessa é passar por eles da maneira mais nobre possível.

O quadro de um paciente AVC é muito delicado.  Muitas funções ficam comprometidas.  A independência das pessoas vai por ralo abaixo de uma hora pra outra.  Isso acaba desenvolvendo um quadro depressivo em muitos pacientes.  Conversem com o neurologista responsável, para ver se é o caso de entrar com uma medicação.  Eu tomei, não tomo mais.  Não sei se foi a pílula da alegria que manteve meu foco, mas em tenho certeza que lá no fundo da minha pessoa, eu tinha o foco muito bem definido.

Não devemos ter vergonha de precisar de algumas "muletas" durante o tempo que for necessário.  O baque pelo qual passamos é GIGANTE, ninguém que não passou por isso consegue mensurar o que é.

Continuarei a passar informações de forma muito responsável.  O objetivo desse blog é passar esperança para as pessoas.  O mundo em que vivemos é demasiado pesado.  Passando por um quadro desse, é pior ainda.  Então aqui ficam meus posts contando a minha história.  Com um final feliz, sim!  E que podemos manter o otimismo mesmo num momento tão difícil!

Boa recuperação a todos!  E muita força!  Porque é disso que precisamos!