26 de jun de 2014

Me emocionando ainda...

Ontem eu recebi um comentário em um post que me trouxe lágrimas aos olhos.  São por depoimentos como o abaixo  que me levam a continuar publicar, mesmo que esporadicamente, informações no blog.

Quase 3 anos após meus 2 AVCs, posso dizer que hoje, plenamente recuperada, ao ler alguns posts que escrevi, muitos deles com vários erros de português que, propositadamente deixo, me emociono ainda com a minha história.  Para os que estavam ao meu lado à época sabem o quão foi difícil trilhar cada passo nessa minha recuperação, que ainda teve uma recidiva de um câncer no meio de tudo, com muitas sessões de radio e quimioterapia, e que me levou de volta à UTI para mais uns dias depois de passar por uma cirurgia bem delicada.

Mais uma vez agradeço a todos o apoio que tive durante essa minha pequena GRANDE luta. 

Fácil nunca foi, mas eu consegui!

Obs.:
Pedi autorização para a Eliane para publicar, na íntegra, o que ela me escreveu.  Segue abaixo seu comentário, que virou um novo post no blog:



"Prezada Adriana,
É impossível ler seus posts e não derramar lágrimas.
Eu, minha mami e minhas irmãs estamos passando por este momento delicado com nosso papi.
Meu querido e muito amado papai teve um AVC isquêmico trombótico na última sexta, dia 20/06/2014. Ele sempre levou uma vida saudável. Mas seu organismo é acometido de uma doença chamada aterosclerose.
Desde 2004, já foram dois enfartes e dois AVCs, os quais foram transitórios e não deixaram sequelas perceptíveis.
Porém, o terceiro AVC veio para desestruturar toda nossa família. Todo lado direito dele está paralisado embora, algumas vezes, ele perceba que estamos mexendo em sua mão ou perna. O risco de um novo AVC existe, já que ainda há um coágulo na carótida esquerda que pode se soltar. Mas estamos confiantes, pois dentro de 4 semanas, se tudo correr bem, um novo procedimento eliminará de vez esta probabilidade.
Hoje, ler seu blog e suas experiências, me ajudou bastante neste momento de sofrimento. Ver que uma pessoa que você ama, que era plenamente ativa, pode ficar limitada dói. É uma dor infinitamente grande, que não dá para descrever. Além da dor para a pessoa que sofre o AVC, todos aqueles que a amam ficam chocados, sensíveis e abalados.
Assim como sua sugestão em um de seus posts, estou também buscando informações e relatos de pessoas como você, que superaram o problema e hoje levam uma vida normal.
Eu não tenho como lhe agradecer pelas coisas que escreve em seu blog. Não tenho palavras para descrever a paz que sinto agora ao ler suas mensagens de força, de garra, de amor pela vida.
O alcance da luz dos teus relatos é infinito e maravilhoso!!!!!
Parabéns! Luz, sucesso e muita, muita, muita saúde para que você continue acalentando, mesmo que longe, sem perceber e sem conhecer, pessoas que precisam de tua energia positiva.
Diferente do seu caso, eu e minhas irmãs faremos um histórico da evolução dele (pois agora tenho certeza de que evoluirá), para que outras pessoas não desistam de lutar.
Beijos mil
Eliane Capra"