29 de nov de 2011

Dores - AVC

Eu fui para uma visita de rotina à minha neurologista.  Antes de tudo, ela ficou muito feliz em me encontrar andando sem nada, pois na minha última consulta com ela tinha ido de andador (nem de bengala foi)!  Ela até comentou que eu parecia que não tinha tido nada, que só estava andando com mais cautela!
Muito bom isso!  Consulta agora só em 2 meses.
Neste meu post eu queria falar de uma coisa não muito agradável: dores.  Posso dizer que de uma forma um pouco previlegiada eu não senti dores maiores. 


O que eu me surpreendi, foi com a minha dor no meu ombro direito (o lado paralisado, ou melhor, parético).  Minhas fisios me explicaram que como eu fiquei sem movimentar por um determinado período de tempo o me braço, acabou por ocorrer uma "sub-luxação" no meu ombro, por conta de fraqueza muscular e pelo meu braço ficar um período sem se mexer.
A dor ninguém merece.  Há um tempo atrás, eu era literalmente acordada com essa dor no meu ombro!  Parecia uma faca entrando no "meio" do meu ombro direito!  A dor melhorou consideravelmente, uma vez que acordo sem ela! Mas determinadas "manobras" em meu braço direito ainda me incomodam demais.
Quero aqui me manifestar aqui que para que você não pense que um paciente pós AVC não deve apresentar dores só porque não houve um trauma específico! Eu tenho dores nas junta da minha mão direita, dores estas que estão indo embora com meu empenho na fisioterapia.  A dor do meu ombro, a médica me disse ontem, que eu devo tê-la por um bom (mau) tempo.
Vá se exercitando no limite que sua fisioterapeuta lhe diz.  Eu digo que é aquela velha dorzinha boa, quando me exercito bem (isso no meu limite).   Não se deixe sentir derrotado na primeira dor que sentir.   Acredito que isso é um sinal que seu corpo está começando a reagir!  Até os seus músculos retornarem, você precisa de um tempo para se adaptar!
Atenção: cada AVC é um AVC.  Suas dores podem ser diferentes da minha!

13 comentários:

  1. Oi, estava passeando pelo face quando descobri sua página e o link para este blog, também sobrevivi a um AVC, foi em janeiro/11 tenho 48 anos, estou em fase de recuperação. Fiquei internado por 10 dias, meu lado afetado foi o direito (pq a gente tem a necessidade de contar tudo pra todo mundo, precisei tb fazer fono e agora só faço fisio, ando com dificuldade (apoiado em bengala)aos poucos vou recuperando o movimento do braço. Com fé as coisas voltarão ao normal.

    ResponderExcluir
  2. Boa sorte na recuperação!
    Não desista nunca!
    Estamos na luta juntos!

    ResponderExcluir
  3. Oi Adriana, meu nome é Julia, tenho 25 anos e há um ano tive um AVC isquêmico que afetou o lado esquerdo corpo. Os problemas de fala foram bem temporários, menos de minutos, no entanto foram meses de fisioterapia para fazer o braço e perna voltarem a funcionar +ou- como antes (ainda espero e luto para que voltem ao que era antes). Não tenho queixas, hj levo uma vida praticamente normal, mas as dores ainda me incomodam bastante. Tive desde o início uma política de não pesquisar nada na internet, apenas ao meu médico, pois há muitas informações desencontradas com coisas bastante assustadoras (rs). Ontem, pela primeira vez, sentindo a mesma dor no ombro que vc mencionou, resolvi pesquisar para saber se era "normal" isso. Foi uma benção encontrar seu blog e ler as suas experiências e me identificar com muitas delas, tudo de uma forma bem documentada com pesquisas e opiniões médicas. Foi por isso que vim te agradecer pela iniciativa do blog e pela força de em meio a tanta dor e luta você ainda ter forças para escrever e abençoar outras pessoas. Que Deus continue abençoando a sua luta, te dando forças e motivação para que daqui há alguns anos isso tudo seja apenas uma lembrança da sua garra. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julia, força para você. O intuito do meu blog é poder ajudar quem precisa!
      Muito obrigada!

      Excluir
  4. Oi Adriana,vc é um exemplo a ser seguido, parabéns.Meu pai de 70 anos deve um AVC que de imediato causou dormência em seu lado direito por falta de informação ele se internou apenas 6 dias depois.Ficou 10 dias no hospital e resumindo ele foi afetado na coordenação motora, Ass como vc, ficou a dor no ombro direito e que está se agravando com a fisioterapia. Tenho MT dó dele, super ativo e as dores não o deixam fazer nada. Quando ele insiste em ficar de pé, ter uma vida normal ele trava tudo, pé, perna.....Me ajuda. Kkkk
    Obrigado, Alisson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Alisson! Fico feliz em levar um pouco de esperança em casos como o de seu pai. Essas dores passam. Eu sei que é difícil de acreditar, mas melhora sim! Converse com o fisioterapeuta que está cuidando de seu pai para entender melhor esse processo de recuperação. E faça com que seu pai participe dessa conversa. Ele, antes de qualquer pessoa, tem que entender quais limitações ele enfrentará nessa nova luta.
      Boa sorte!
      Adriana

      Excluir
  5. Bom dia, meu nome é Andreia , meu pai teve um AVC em 02/2016 e hoje ele sofre muito com a dor no ombro esquerdo.Hoje mesmo ao sair de casa estava bem frio(10 graus) e ele estava sentindo muita dor e eu fiquei muito triste por não poder ajuda-lo.Hoje pela manha conheci voces e fiquei muit ofeliz pelos comentarios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos aqui para ajudar no que for possível!

      Excluir
  6. Olá, minha mãe teve AVC há quase nove meses. Ainda dar umas crises de convulsões (sendo que toma o Hidantal), creio que é falta de orientação médica, ela irá se consultar, ela tomava clopidogrel parou e sirvastantina. Ela mexe bem pouco o lado esquerdo onde foi atingido e sente dores. E hoje ela teve uma crise após acordar, será porque? Me ajudem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antônio Carlos, sinto em não poder ajudá-lo. Não sou da área médica, apenas passei por um AVC, há mais de 5 anos.

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Meu pai sofreu dois AVCs, um ano e um mês do primeiro, teve o segundo, que já fez um ano em abril (do segundo), com um mês, teve trombose, o que complicou ainda mais a recuperação ele. Ele reclama de muitas dores no ombro. Infelizmente é preguiçoso nos exercícios da fisioterapia, só faz com a fisioterapeuta, fora isso, pouco faz e isso me entristece porque falo pra ele fazer os exercício, ele diz que fez, mas vejo que não faz.

    Que bom de sua recuperação e determinação, pois é isso que todos tem de ter, determinação para voltar os movimentos e ter uma vida "normal".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que seu pai se anime com a fisioterapia e faça sem ser presencial. Isso faz muita diferença mesmo em nossa recuperação!
      Força nessa luta!

      Excluir